PIB verde vem aí

Artigo 27/09/2012

Por Marcus Eduardo de Oliveira - Economista, especialista em Política Internacional e Professor de economia da FAC-FITO e do UNIFIEO (São Paulo).


Qual a quantidade de recursos naturais, energia e impactos ambientais gerados na produção de um bem ou serviço? Como mensurar a conta ambiental no cálculo da economia de um país, considerando água, florestas e energia? Como descontar do volume produzido em bens e serviços a “depreciação” do capital natural? Para responder essas perguntas, está chegando por aí o PIB verde, Projeto de Lei 2900/11, do deputado Otávio Leite (PSDB/RJ) aprovado recentemente pela Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável.

Com isso, objetiva-se mensurar o “estoque” de recursos naturais, conhecer o Mapa de Biomas (conjunto de diferentes ecossistemas) atribuindo um valor monetário ao patrimônio ecológico.

Com essa “conta ambiental” abre-se possibilidade de medir o progresso em termos de sustentabilidade.

Contudo, fica uma intrigante pergunta a partir dessa nova metodologia: por quanto tempo um país pode avançar economicamente “destruindo” seus recursos naturais?

Pelos últimos estudos do Pnuma (Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente), a partir do panorama do Índice de Riqueza Inclusiva (IRI) – considerando quatro fatores: o capital humano (nível de educação e capacitação da população); o capital produtivo (capacidade manufatureira do país); o capital natural (florestas, peixes, combustíveis fósseis, terras agrícolas) e o capital social (calculando reduções na expectativa de vida dos habitantes ao longo do tempo) discutidos na Rio+20, dos 20 países analisados (contemplando 56% da população e 72% do PIB mundial) no período de 1990 a 2008, 19 apresentaram esgotamento dos recursos naturais.

Pela parte que nos cabe, nesse período estudado, conforme ilustração (mapa) abaixo, extraído do Pnuma, o Brasil fez seu PIB crescer 34%; no entanto, seu capital natural foi dilapidado em 25% o que nos posiciona no quinto lugar (entre os 20 países) na média de melhor crescimento com sustentabilidade. Nossa maior perda natural está nas áreas das florestas. Por essa medição, os Estados Unidos – os maiores poluidores do planeta – tiveram um crescimento sustentável de 0,7%, com perda de 20% dos recursos naturais.

 


Notícias Relacionadas

LER MAIS

Paulo Sandroni receberá prêmio Personalidade Econômica do Ano

20.01.2020

O Economista Paulo Sandroni receberá prêmio por ocasião do XXVII SINCE, em João Pessoa.

LER MAIS

Comunicado de não ocorrência 2020 - COAF

15.01.2020

O Comunicado de não ocorrência deve ser encaminhado ao Corecon até o dia 31 de janeiro

LER MAIS

15.01.2020

O Comunicado de não ocorrência deve ser encaminhado ao Corecon até o dia 31 de janeiro

LER MAIS

Presidente, Vice-Presidente e Conselheiros são empossados

14.01.2020

O Conselho Regional de Economia da Paraíba (Corecon-PB) realizou, na última quarta-feira (08), uma concorrida solenidade de eleição e posse da diretoria para o exercício de 2020, assim como a posse do terço de Conselheiros para o triênio 2020/2022