SUSTENTABILIDADE DO DESENVOLVIMENTO

Artigo 26/07/2013

A tradição da teoria econômica neoclássica recomenda o crescimento econômico como o único meio de melhorar o bem-estar das pessoas, além de propagar ser uma via possível para combater-se a pobreza e a miséria.


A tradição da teoria econômica neoclássica recomenda o crescimento econômico como o único meio de melhorar o bem-estar das pessoas, além de propagar ser uma via possível para combater-se a pobreza e a miséria. Em síntese, pela economia tradicional basta fazer a atividade econômica produtiva se expandir – de preferência a taxas elevadas - que as oportunidades de melhoria logo estarão ao alcance de todos.

Para tanto, na busca desse crescimento “milagroso”, como é típico do modelo econômico expansionista, ignora-se que nas pontas inicial (extração) e final (entrega de dejetos) ocorrerá danos ambientais advindos da agressão patrocinada pela atividade humana sobre os principais serviços ecossistêmicos, desrespeitando as regras de regeneração e de conservação próprias da natureza.

Por sinal, o grande equívoco das economias modernas é justamente não saber respeitar os limites da capacidade de sustentação da Terra, menosprezando ao menos dois fatos: que os recursos ecológicos necessários para sustentar tal política de crescimento são de ordem finita; e que o sistema econômico não passa de um subsistema de algo maior, a biosfera.

Reside nisso a importância de se reverter esse modelo econômico em direção a uma estrutura econômica mais humana (longe da mecânica, próxima da termodinâmica), que seja ecologicamente equilibrada, que não sobrecarregue a base física da qual se retira o sustento da humanidade.

Assim, cria-se a possibilidade de atender as demandas dos menos privilegiados; dos milhões de seres humanos que se encontram excluídos da economia mundial, à margem do consumo, fora da vida econômico-produtiva.

Nesse sentido, o eixo dessa “nova economia” com característica mais humana e ambientalmente sustentável consiste em colocar, prioritariamente, as pessoas em primeiro lugar. Afinal, o que realmente importa em matéria de economia social e ecológica, pautada na busca do desenvolvimento sustentável (cuja essência é a inclusão dos excluídos) são as pessoas, convivendo num meio ambiente (biosfera) equilibrado e saudável.

Cabe ressaltar que o foco principal desse modelo diferenciado de se fazer economia reside em duas frentes: 1) embasá-lo na cooperação (que soma e inclui), daí a importância de realçar as pessoas em primeiro lugar, e não na competição (que divide e exclui), por isso o mercado não deve ser privilegiado; e, 2) Reafirmar, de antemão, que somos dependentes da natureza, por isso é imprescindível preservar o clima, a biota, os recursos e os ecossistemas visando alcançar as condições de vida sustentável.

Nunca é demasiado aduzir, nesse pormenor, que a atividade produtiva é feita pelos homens e para os homens, contando inexoravelmente para isso com os serviços prestados pela natureza. Assim sendo, não é mais possível conceber uma economia dissociada da natureza; visto que não há atividade econômica e humana sem uso de água, energia, matéria, fotossíntese ou uso de solos e pradarias.

Para tanto se faz necessário desenvolver aspectos que permitam enxergar que o crescimento econômico – espécie de dogma central da economia convencional - deve ser visto tecnicamente apenas em termos quantitativos (entendendo que há limites para sua efetivação), enquanto que o desenvolvimento econômico responde pela possibilidade de se atingir o verdadeiro bem-estar; longe, portanto, do espectro materialista que faz a economia tradicional rezar a cartilha do crescimento.

Aceitar a premissa que o fundamental é o desenvolvimento (e não o crescimento) é colocar a atividade econômica ao lado dos excluídos da economia cujas cifras em escala mundial são escandalosamente acintosas: 1 bilhão de estômagos vazios; 1,5 bilhão de pessoas sem acesso à água potável; 19 crianças com menos de 5 anos de idade morrendo a cada cinco minutos vítima de pneumonia; 500 mil mães que morrem a cada ano na hora do parto devido a assistência médica insuficiente; 5 milhões de crianças que todos os anos não conseguem completar cinco anos de vida.

Nesse sentido, é imperioso reforçar a ideia que a economia tem todas as condições de executar um programa de recuperação social, desde que se rompa abruptamente com a prática dominante que insiste em medir a realidade social por números e valores monetários, como se a nossa vida se resumisse a mera questão quantitativa, expressa no corolário do crescimento econômico.

Urge mudar o eixo da economia tradicional reafirmando políticas públicas que coloquem as pessoas em primeiro lugar; afinal, o objetivo precípuo da atividade econômica é um só: dar resposta positiva à vida de todos nós. Isso só será possível quando houver a conciliação da economia com os princípios da ecologia (não ultrapassando as fronteiras ambientais), colocando as pessoas – e não o mercado – para pensar a organização socioeconômica em termos de seus fundamentos biofísicos, regendo as regras da vida social pautadas na sustentabilidade do desenvolvimento, e não do crescimento.

 (*) Economista e professor. Especialista em Política Internacional, com passagem pela Universidade de Havana, Cuba.

prof.marcuseduardo@bol.com.br


Notícias Relacionadas

LER MAIS

Assembleia debate PEC que acaba com a obrigatoriedade de adesão a conselhos profissionais de classe

23.08.2019

A Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) debateu, durante sessão especial na manhã desta quinta-feira (22), a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 108/2019, do Governo Federal, que acaba com a obrigatoriedade de adesão a conselhos profissionais de classe.

LER MAIS

Eleições 2019

19.08.2019

A eleição do Corecon-PB neste ano, será novamente pela internet, por meio do site www.votaeconomista.org.br, das 8h do dia 29 de outubro de 2019 até as 20h do dia 31 de outubro de 2019.

LER MAIS

Solenidade comemorativa dos 68 anos de regulamentação da profissão do economista

16.08.2019

Aconteceu na noite desta terça-feira (13), no auditório 211, do CCSA/UFPB, a solenidade comemorativa dos 68 anos de regulamentação da profissão do economista com o objetivo de valorizar a profissão e o profissional de economia, além do estreitar as relações do Corecon-PB as partes interessadas.

LER MAIS

Por uma Estratégia de Política Econômica para Crescer e Gerar Empregos

12.08.2019

Por Antonio Corrêa de Lacerda – Vice-presidente do Cofecon.