Economia brasileira: estrutura e transição

Artigo 24/01/2019

Economia brasileira


Até o final desta segunda década do século é um importante momento não só para refletir a experiência do passado como também para agir com eficácia para transformar as potencialidades do País em riqueza nacional.

Como riqueza entendemos não só o dinheiro no cofre, mas também a condição de vida e a reserva potencial às gerações futuras.

Na transição da 1ª para a 2ª década ocorreram fatos importantes que exigem muita reflexão. O lado positivo é que o País superou/contornou a crise do final da 1ª década, quando o mundo impôs à grande parte dos países ações governamentais e econômicas de redirecionamentos.

No caso brasileiro, os longos e repetidos erros levaram o País a uma situação que exigiu ações imediatas e eficazes, ainda que não confortáveis.

Dentre muitos temas, como ações públicas/governamentais inadequadas, a corrupção é o tema central que poderá proporcionar economias gigantescas em benefício das contas públicas e, consequentemente, a redução da carga tributária, beneficiando as empresas e as pessoas.

Outro tema importante é que o Governo seja composto por instituições, organizações e pessoas corretas e competentes, direcionando o País para o “Desenvolvimento”, bem conceituado por Walter W. Rostow: “Desenvolvimento é um processo inédito e irreversível de mudança social, através do qual se instaura numa região um mecanismo endógeno de crescimento econômico cumulativo e diferenciado”.

A construção de “ Comunidades Cívicas” responsáveis é fundamental para reduzir as imperfeições e excluir a corrupção.

Todos sabemos que essa construção não é tarefa fácil. Mas é possível. Precisamos acreditar e participar das ações construtivas.

O Brasil é um País com riquezas potenciais que poderão beneficiar não só as gerações atuais como as gerações futuras, desde que seja adequadamente dirigido.

Para isto, não basta só a ação dos governantes mas, também, a participação ativa da sociedade.
Acreditemos na viabilidade do sucesso para o que cada brasileiro tem o compromisso de contribuir.

Humberto Dalsasso – Economista, Consultor Empresarial de Alta Gestão



Notícias Relacionadas

LER MAIS

Assembleia debate PEC que acaba com a obrigatoriedade de adesão a conselhos profissionais de classe

23.08.2019

A Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) debateu, durante sessão especial na manhã desta quinta-feira (22), a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 108/2019, do Governo Federal, que acaba com a obrigatoriedade de adesão a conselhos profissionais de classe.

LER MAIS

Eleições 2019

19.08.2019

A eleição do Corecon-PB neste ano, será novamente pela internet, por meio do site www.votaeconomista.org.br, das 8h do dia 29 de outubro de 2019 até as 20h do dia 31 de outubro de 2019.

LER MAIS

Solenidade comemorativa dos 68 anos de regulamentação da profissão do economista

16.08.2019

Aconteceu na noite desta terça-feira (13), no auditório 211, do CCSA/UFPB, a solenidade comemorativa dos 68 anos de regulamentação da profissão do economista com o objetivo de valorizar a profissão e o profissional de economia, além do estreitar as relações do Corecon-PB as partes interessadas.

LER MAIS

Por uma Estratégia de Política Econômica para Crescer e Gerar Empregos

12.08.2019

Por Antonio Corrêa de Lacerda – Vice-presidente do Cofecon.