Configuração do emprego na Paraíba no contexto Digital

Artigo 01/03/2019

Artigo escrito por REJANE G. CARVALHO


As condições de absorção da força de trabalho vêm apresentando sensíveis mudanças com a ampliação das novas tecnologias da informação em todos setores produtivos, de modo a exigir trabalhadores mais qualificados e flexíveis, não só quanto às relações formais, mas especialmente na descoberta de novas ocupações que podem estar relacionadas ao mundo dos serviços e até contemplar o trabalho autônomo ou a informalidade. Neste contexto, deve-se estar atento para a configuração da economia regional e local, buscando entender como a força de trabalho está inserida e suas fragilidades.

 No Nordeste, de acordo com os dados da PNAD Contínua Trimestral do IBGE, em 2018, cerca de 41% dos trabalhadores encontravam-se ocupados no setor privado. Os estados de Pernambuco (44,67%), Rio Grande do Norte (43,90%), Ceará (43,40%) e Bahia (43,17%), destacaram-se com participações acima da média regional. Contudo, entre 2016 e 2018, foi registrada queda no pessoal ocupado no setor privado para alguns estados, possivelmente devido aos efeitos da crise econômica que tem provocado o aumento das desinserções. No caso do estado da Paraíba, as ocupações no setor privado passaram de 42% para 39,53% no período considerado. Quando se observa os vínculos empregatícios dos paraibanos, a participação das pessoas ocupadas com carteira de trabalho assinada sofreu retração de 24,13% para 22% da força de trabalho empregada no mesmo intervalo de tempo, sendo o terceiro menor percentual entre os estados nordestinos em 2018. Já os ocupados sem carteira de trabalho assinada representam 17%, sem grandes alterações nos últimos três anos, mas sendo o terceiro maior entre os demais estados.

            Na configuração recente do mercado de trabalho, também é relevante destacar a proporção de trabalhadores por conta própria, muitos dos quais não contribuem com a previdência social. Para o Nordeste essa categoria de trabalhadores registrou queda de 2,3 pontos percentuais entre 2016 e 2018, alcançando média de 28,68% da força de trabalho ocupada no último ano. Por outro lado, somente os estados da Paraíba e o Piauí apresentaram aumento do trabalho por conta própria no período. Ainda em 2018, quase 49% da força de trabalho ocupada contribuía com a previdência oficial no Nordeste, enquanto mais de 51% não realizava tal contribuição, o que se deve ao grande número de pessoas em atividades informais, por conta própria e com baixos rendimentos, expondo uma situação estrutural do mercado de trabalho. No tocante ao estado da Paraíba, foi registrado cerca de 50% de contribuintes, enquanto os não contribuintes alcançaram 49,8%, aumento de quase 1 ponto percentual para este último indicador entre 2016 e 2018. Com exceção da Bahia, os demais estados nordestinos apresentaram queda na participação das pessoas ocupadas que contribuem com a previdência, o que pode indicar mais uma consequência da crise sobre o mercado de trabalho.

            No tocante aos rendimentos recebidos no trabalho principal, os maiores valores foram observados para o estado de Pernambuco, com R$ 1.623,67 em 2018, seguido por Sergipe, Bahia e Ceará. O estado da Paraíba exibiu rendimento médio de R$ 1.514,67. Considerando os trabalhadores do setor privado que expressam cerca de 40% da força de trabalho ocupada, os maiores rendimentos encontram-se entre os que têm carteira de trabalho assinada (R$ 1.475,67), ou cerca de 1,5 salário mínimo, configurando baixo rendimento. Por outro lado, as menores remunerações do trabalho são recebidas pelos trabalhadores domésticos sem carteira assinada (R$ 456,33) e os que realizam atividades por conta própria (R$ 890,00), abaixo do salário mínimo.

            Para o desenvolvimento sustentável do estado não interessa a manutenção de ocupações que reproduzem informalidade e baixos rendimentos. No momento em que se assiste à adaptação dos trabalhadores às novas modalidades de empregabilidade em todos os setores é possível que surjam abalos sobre a economia local. Por isso, é importante entender a dinâmica do mercado de trabalho e as condições conjunturais da economia para criar possibilidades reais de inserção social pelo trabalho, o que significa contemplar a formação e qualificação profissional, a diversificação das atividades produtivas para a geração de ocupações sustentáveis, assim como a elevação do rendimento médio do trabalho, o que poderia promover melhoria da qualidade de vida. Caso a inserção pelo trabalho ocorra por ocupações informais, precárias e com baixos rendimentos, as condições de pobreza tendem a continuar como as marcas de uma economia subdesenvolvida.

 

*Professora Adjunta do Departamento de Economia/UFPB. Doutora em Sociologia do Trabalho/PPGS/UFPB. Realiza pesquisas sobre mercado de trabalho, políticas públicas e economia paraibana.



Notícias Relacionadas

LER MAIS

Corecon-PB realizou neste sábado (20) O Curso Prático de Elaboração de Laudos Periciais

20.07.2019

O curso foi ministrado pelo Economista Robespierre do O'.

LER MAIS

Os seis meses do novo governo na visão de um economista

16.07.2019

Seleção de fatos econômicos do primeiro semestre do novo governo

LER MAIS

Corecon-PB lança “X Prêmio Paraíba Professor Celso Furtado 2019”

15.07.2019

Prêmios de R$ 1,5 mil, R$ 1 mil e R$ 500 para os três primeiros colocados