Reforma da Previdência, alguns dos porquês não

Artigo 05/04/2019

Reforma da Previdência, alguns dos porquês não


Não é nenhuma novidade. Todos os brasileiros sabem (ou, sem qualquer excesso, deveriam saber) que Jair Bolsonaro, o presidente do “Nazismo é de esquerda”, apresentou ao congresso uma proposta de reforma da Previdência. Desde meados de 2016 a sociedade brasileira é bombardeada com informações de que “o país vai quebrar” por causa da previdência social. Vende-se esta como uma verdade absoluta e uma “questão de interesse nacional”. A Previdência Social brasileira é uma parte daquilo que o Art. 194 da Constituição Brasileira chama de Sistema de Seguridade Social. Além da Previdência, este sistema engloba a Assistência Social e a Saúde Pública brasileira. Dentre outras coisas, este mesmo artigo afirma que o sistema deve ser universal, uniforme e equivalente para as populações urbana e rural, equitativo na forma de custeio e diverso no seu financiamento. Resumindo, este é um sistema solidário feito para garantir o bem estar da sociedade brasileira e tem como financiador a própria sociedade, sejam trabalhadores, empresários ou governos. E, acreditem, esta conta não apenas fecha, mas gera mais recursos do que consome. Segundo a Associação Nacional dos Auditores-Fiscais da Receita Federal do Brasil (ANFIP), entre 2005 e 2016 o Sistema de Seguridade Social teve um superávit anual (saldo positivo) médio de R$ 50 bilhões. Contudo, desde 1994, todos os governos vêm se utilizando de vários artifícios perversos contra o Sistema de Seguridade Social sacando esse dinheiro para pagar outras contas e destinando-o a fins diferentes daqueles que estão previstos na Constituição. Para termos uma noção, a ANFIP estimou que só com as Desvinculações das Receitas da União (DRU), entre 2005 e 2016, a média anual de desvio de dinheiro foi de R$ 52 bilhões (mais que o excedente gerado). Só em 2017 o “roubo” foi de R$ 113 bi. Isto significa que a Seguridade Social vem sendo prejudicada em benefício de uma outra despesa qualquer. E que despesa é essa? Os serviços da dívida pública, por exemplo. No ano passado, o montante de juros pago pelo governo federal foi de R$ 219 bilhões. Isto significa que uma parte do dinheiro que deveria ter sido destinado à Saúde, Assistência ou Previdência social foi parar nas mãos de algum rentista privado. Mas para não dizer que tudo são flores, de fato, nos anos de 2016 e 2017 o Sistema de Seguridade apresentou déficits de R$ 55 e R$ 57 bilhões, respectivamente. Mas isto foi um resultado direto da crise que assola o Brasil desde 2014. Por exemplo, o recolhimento de tributos depende da renda, da produção e do consumo da sociedade. Em um momento de crise todas essas variáveis estão desaquecidas. Assim, as receitas também tendem a cair. Já as despesas se mantêm, pois, é preciso manter o pagamento dos serviços básicos, das aposentadorias, do funcionamento do Estado, etc. Assim, devido às garantias legais, os gastos são mais “engessados” enquanto a arrecadação tende a cair. Para piorar, como denuncia o documento “Análise da Seguridade Social 2017” da ANFIP, o governo federal deixou de contabilizar quase R$ 160 bilhões nas receitas do Sistema de Seguridade que foram apresentadas oficialmente à sociedade brasileira. São recursos desviados para outras áreas (tal como o BNDES), mas que não são explicitados na divulgação geral. Ou seja, é dinheiro que a sociedade como um todo deixa de ter acesso em benefício de alguma despesa considerada pelo governo mais prioritária do que a Seguridade Social. Neste contexto, o caro leitor já parou para refletir o porquê de, sempre, os “ajustes necessários” recaírem sobre os direitos dos trabalhadores e nunca sobre a elite realmente privilegiada? Se os beneficiados disso tudo fosse realmente a massa da população, então por que é tão necessário fazer o desmonte desse sólido sistema que já beneficia essa massa? O que será feito com esse dinheiro que sobrará nos cofres públicos? [i] 

Lucas Milanez de Lima Almeida

Professor do Departamento de Economia da UFPB e coordenador do PROGEB – Projeto Globalização e Crise na Economia Brasileira.


Notícias Relacionadas

LER MAIS

Assembleia debate PEC que acaba com a obrigatoriedade de adesão a conselhos profissionais de classe

23.08.2019

A Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) debateu, durante sessão especial na manhã desta quinta-feira (22), a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 108/2019, do Governo Federal, que acaba com a obrigatoriedade de adesão a conselhos profissionais de classe.

LER MAIS

Eleições 2019

19.08.2019

A eleição do Corecon-PB neste ano, será novamente pela internet, por meio do site www.votaeconomista.org.br, das 8h do dia 29 de outubro de 2019 até as 20h do dia 31 de outubro de 2019.

LER MAIS

Solenidade comemorativa dos 68 anos de regulamentação da profissão do economista

16.08.2019

Aconteceu na noite desta terça-feira (13), no auditório 211, do CCSA/UFPB, a solenidade comemorativa dos 68 anos de regulamentação da profissão do economista com o objetivo de valorizar a profissão e o profissional de economia, além do estreitar as relações do Corecon-PB as partes interessadas.

LER MAIS

Por uma Estratégia de Política Econômica para Crescer e Gerar Empregos

12.08.2019

Por Antonio Corrêa de Lacerda – Vice-presidente do Cofecon.