Os seis meses do novo governo na visão de um economista

Artigo 16/07/2019

Seleção de fatos econômicos do primeiro semestre do novo governo


A assinatura do acordo de livre comércio do Mercosul com a União Europeia. O tratado tem potencial para acelerar o crescimento econômico no país.

A reforma da Previdência, considerada fundamental para que o país não quebre vem vencendo aos poucos os obstáculos para ser aprovada.

A aprovação do programa de revisão de benefícios do INSS para combater possíveis fraudes.

Os apoios dos Estados Unidos e Inglaterra ao ingresso do Brasil na Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que reúne os 36 países com as maiores economias. Aumenta a confiança de investidores internacionais.

O leilão de concessões para 12 aeroportos, quatro terminais portuários e um trecho da ferrovia Norte-Sul.

Aprovação de um crédito extra emergencial de R$ 248,9 bilhões, destinado para o pagamento de programas como o Bolsa Família, BPC – Benefício de Prestação Continuada-, entre outros e evitando o descumprimento da “regra de ouro”

A “MP da Liberdade Econômica” que pretende diminuir a burocracia impostas pelo estado a empreendedores e empresas.

A diminuição do número de 29 para 22 ministérios que representa não só redução nas despesas como melhoria na gestão ministerial.

A aprovação do cadastro positivo

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) que mede o custo de vida registrou inflação de 2,72% no ano, gerando a expectativa de que o Banco Central (BC) reduza em 0,25% taxa básica, a Selic.

O Ibovespa fechou o semestre com 100.967,20 pontos. Com isso, encerra o primeiro semestre com alta de 14,88%.

A queda de 23% nas mortes violentas nos primeiros quatro meses deste ano em comparação com o mesmo período de 2018, mesmo sem a aprovação do pacote anticrime. O custo da criminalidade represente 4,38% do PIB por ano no Brasil.

A autorização para privatização das subsidiárias das estatais brasileiras. Acordo firmado pela Petrobrás estipula que, até o fim de 2021, a empresa venderá sua participação em transportadoras e distribuidoras.

O Índice de Confiança do Empresário da Construção (ICEI-Construção) CNI subiu para 57 pontos que mostram confiança dos empresários.

O aumento de investimento em máquinas e equipamentos. A Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) cresceu 1,3% em 2019 segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), sinalizando um aumento da capacidade produtiva das empresas, refletindo a melhora da confiança dos empresários nos negócios.

Apesar do índice muito alto do desemprego e do tímido crescimento da economia, os fatos econômicos destacados deste primeiro semestre de 2019 permitem-me projetar com ‘mais otimistas’ uma recuperação da economia no segundo semestre. Por isso considero o copo da economia do período “meio cheio”.

ECONOMISTA CELSO MANGUEIRA – CORECON-PB, NO 1279




Notícias Relacionadas

LER MAIS

Assembleia debate PEC que acaba com a obrigatoriedade de adesão a conselhos profissionais de classe

23.08.2019

A Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) debateu, durante sessão especial na manhã desta quinta-feira (22), a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 108/2019, do Governo Federal, que acaba com a obrigatoriedade de adesão a conselhos profissionais de classe.

LER MAIS

Eleições 2019

19.08.2019

A eleição do Corecon-PB neste ano, será novamente pela internet, por meio do site www.votaeconomista.org.br, das 8h do dia 29 de outubro de 2019 até as 20h do dia 31 de outubro de 2019.

LER MAIS

Solenidade comemorativa dos 68 anos de regulamentação da profissão do economista

16.08.2019

Aconteceu na noite desta terça-feira (13), no auditório 211, do CCSA/UFPB, a solenidade comemorativa dos 68 anos de regulamentação da profissão do economista com o objetivo de valorizar a profissão e o profissional de economia, além do estreitar as relações do Corecon-PB as partes interessadas.

LER MAIS

Por uma Estratégia de Política Econômica para Crescer e Gerar Empregos

12.08.2019

Por Antonio Corrêa de Lacerda – Vice-presidente do Cofecon.