Reserva de Emergência

Artigo 31/08/2019

Escrito por Amadeu Fonseca Economista Corecon 1817 - UFPB


RESERVA DE EMERGÊNCIA

Você já possui uma reserva de emergência? Apesar de muita gente falar sobre esse assunto, é necessário ter um bom planejamento de liquidez para arcar com eventos inesperados e esperados, além do mais não adianta simplesmente ter um bom poder de poupança, seu patrimônio deve estar alocado de forma adequada.

As emergências podem ocorrer na vida de qualquer pessoa. Para tal, basta ter aplicações com boa liquidez é fundamental, ou seja, seus recursos precisam ser resgatados com rapidez e facilidade. A dica é escolher bem suas aplicações, sabendo que investimentos de longo prazo possuem baixa liquidez, ao solicitar o resgate antecipado existe o risco de ter algum tipo de prejuízo.

Veja os principais tipos de eventos que estamos sujeitos e algumas sugestões para cada evento:

Despesas correntes: São despesas previsíveis e repetidas (pagamento de mensalidades, aluguel, contas de água e energia, etc.) estes são pagos com rendas mensais. Para honrar com esses compromissos são necessários recursos em caixa com liquidez imediata.

Eventos inesperados: Os imprevisíveis e ocasionais (sinistros, doença sem cobertura no plano de saúde, acidentes, etc.) estes são pagos com reservas em aplicações de alta liquidez. Aqui, poderíamos ter algum CDB de liquidez diária ou Tesouro Selic por exemplo.

Eventos planejados: Os previsíveis e ocasionais (uma viagem, festa de formatura, troca de carro, casamentos, etc.) são pagos com reservas em aplicações com liquidez condizente ao horizonte de tempo até o evento. Portanto, é mais indicado aplicações de médio prazo.

Contudo, para um bom êxito tenha em mente que uma boa reserva de emergência deve se equivalente a pelo menos seis vezes o seu gasto mensal, isso mesmo. Já para um funcionário público que tem maior previsibilidade de receita, a reserva de emergência cai para três vezes o gasto mensal. Para empreendedores, o recomendado é ter nove vezes o gasto mensal, justamente pela menor previsibilidade de renda e risco implícito do negócio.



Notícias Relacionadas

LER MAIS

UFPB sediará evento em homenagem ao centenário do economista Celso Furtado

22.11.2019

Intelectual é autor do livro Formação Econômica do Brasil, traduzido em oito idiomas

LER MAIS

“Desafio é mostrar o pensamento de Celso Furtado às novas gerações”, diz Rosa Freire D´Aguiar

22.11.2019

Viúva do economista esteve na UFPB para planejar o centenário do autor, criador da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene)

LER MAIS

Valor da Anuidade para exercício 2020.

18.11.2019

A anuidade do Corecon-PB será de R$ 510,64 decorrente do reajuste pelo INPC de 3,16%.

LER MAIS

Eleições do Corecon-PB exclusivamente pela internet

28.10.2019

dia 29 de outubro de 2019 até as 20h do dia 31 de outubro de 2019 (horário de Brasília).