Corecon-PB lança selo comemorativo ao centenário de Celso Furtado

Noticias 25/07/2020

O Selo Personalizado é composto por duas partes, sendo a primeira representada pelo selo postal com a imagem da bandeira nacional em primeiro plano e ao fundo imagens de dois marcos arquitetônicos de Brasília.


Sobre o Selo
O Selo Personalizado é composto por duas partes, sendo a primeira representada pelo selo postal com a imagem da bandeira nacional em primeiro plano e ao fundo imagens de dois marcos arquitetônicos de Brasília: a escultura “A Justiça” de Alfredo Ceschiatti, em frente ao Supremo Tribunal Federal (STF); o prédio do Congresso Nacional, onde trabalham os deputados federais e senadores.
  A segunda parte do selo apresenta, em destaque, a foto de Celso Furtado, e compondo a imagem de fundo uma cena de pobreza e fome, ainda exigente na Região Nordeste, que o economista paraibano desde jovem conheceu na cidade de Pombal/PB o que é a dureza da vida humana naquela região. Na parte superior os dizeres “Centenário de Celso Furtado” e na inferior a logo do Corecon-PB.
A composição postal procura evidenciar os contrastes socioeconômicos que marcam a sociedade brasileira. Brasília uma sociedade mais igualitária; Nordeste mais excludente.
Celso Furtado
Celso Monteiro Furtado nasceu no dia 26 de julho de 1920, em Pombal, município do Estado da Paraíba, que nas palavras do ilustre paraibano uma das cidades mais ásperas do sertão. Região seca, de homens secos. Passou sua juventude em João Pessoa e Recife, onde fez o curso secundário, e grande parte de sua vida no Rio de Janeiro, Paris e Santiago do Chile. Morreu no Rio aos 84 anos, em 20 de novembro de 2004. Foi jornalista, funcionário público, advogado,, doutor em economia, segundo tenente da FEB, pioneiro da Cepal, criador e superintendente da Sudene, professor de grandes universidades na Europa e nos Estados Unidos, embaixador, ministro do Planejamento e da Cultura e membro da Academia Brasileira de Letras.
Sua vasta produção intelectual compreende, além de inúmeros artigos, 37 livros publicados, em mais de 15 idiomas, com cerca de dois milhôes de exemplares vendidos, dentre outros os seus clássicos “Formação Econômica do Brasil”, de 1959, e “Desenvolvimento e Subdesenvolvimento”, de 1961, adotados em quase todos os cursos de Economia e Ciências Sociais no País.
Isto fez com que, numa justa homenagem ao célebre economista paraibano, o governo da Paraíba decretasse o ano de 2020 como o "Ano Celso Furtado” por proposta de autoria da deputada Pollyana Dutra e o Conselho Federal de Economia (Cofecon) presidido pelo economista Antônio Corrêa Lacerda instituisse “Ano Celso Furtado”.
O Conselho Regional de Economia da Paraíba (Corecon-PB) para preservar a memória de Celso Furtado tem desenvolvido inúmeras iniciativas, em destaque, cita-se: o Prêmio Paraíba de Economia Professor Celso Furtado desde 2005; entrega da Medalha Celso Furtado a partir de 2008, lançamento de edições comemorativas dos 50 anos de Formação Econômica do Brasil em 2009. Agora em 2020, o Conselho promove uma ampla programação para celebrar o centenário de seu nascimento.
O lançamento de selo personalizado solicitado aos Correios destaca-se nesta programação. Celebrando Celso Furtado o Corecon-PB, com mais esta iniciativa, mantém vivo na memória um economista paraibano que, pela excelência da extensa obra para compreender o Brasil e pela repercussão que teve no plano intenacional, é digno da homenagem dos contemporâneos e do respeito das futuras gerações. Isto tem um nome: imortalidade.

Celso Mangueira
Presidente do Corecon-PB


Notícias Relacionadas