Aumenta a distância qualitativa entre as classes sociais brasileiras

Artigo 21/05/2012

Por José Fernando Chagas


A mídia eletrônica divulgou recente pesquisa de mercado que aponta o Brasil com grande consumidor de smartphones, na ordem de 27 milhões de aparelhos, superando gigantes da economia mundial como Alemanha e França. Uma revista de circulação nacional divulgou que o país já possui mais de 155.400 milionários, em média, 23 brasileiros se tornam super-ricos por dia. O fenômeno deve-se principalmente ao crescimento sustentado da economia nos últimos 10 anos e ao empreendedorismo desses patrícios.  Em um universo que se aproxima dos 200 milhões de almas vivendo nestas terras o que isto significa na ótica da mobilidade social e do poder aquisitivo do individuo?

O capitalismo na sua essência é um modo de produção concentrador da renda; Smith, Ricardo e Marx em abordagens muito mais convergentes que divergentes exploram bem esse aspecto fundamental do nosso sistema econômico, para o bem ou para o mal, assim funciona a economia positiva. É bem verdade que apesar das favelas envergonharem as grandes cidades brasileiras, já é possível encontrarmos casas e apartamentos nas favelas cariocas com aluguéis variando entre R$700,00 e R$1.500 reais e imóveis para venda na ordem de R$ 500.000,00.  Afinal, que pobreza é essa?  O advento da nossa nova classe média tende, mantidas as projeções otimistas, eliminar a pobreza absoluta brasileira nos próximos cinco anos, é um avanço excepcional para um país que ainda precisa resolver gargalhos gigantescos para tornar-se desenvolvido, a saber; um sistema educacional que mereça esse nome, um eficiente sistema de saúde, uma moderna infraestrutura e um “nível” de corrupção aceitável, seria utopia pensar em nível zero. A diferença da quantidade dos anos de escolaridade e na qualidade dessa escolaridade está aprofundando as diferenças entre as pessoas e as classes sociais no Brasil. Na qualidade de professor, função que também exerço desde 1990, observei este fato de modo cristalino. Não adianta o governo federal reservar cotas para negros e mestiços nas universidades públicas (pessoalmente, este que escreve é classificado na certidão original de nascimento como pardo) se o mesmo não promover o acesso ao ensino público de nível médio e superior tendo com critério fundamental o merecimento. A prova da O.A.B. [1] para o exercício da advocacia corrobora com nossa tese. O próprio governo divulgou nesse mês de maio, através do movimento “Todos pela Educação” que apenas 11% dos alunos brasileiros que terminam o ensino médio são proficientes em matemática, 50% em língua portuguesa... Tratar os “desiguais” de forma desigual, conforme o discurso de alguns, a nosso ver é desrespeitar um princípio fundamental da Constituição Federal de 1988, que reza por igualdade perante a lei entre todos os brasileiros.

 Essa decisão revela a falta de coragem ou de vontade política para transformar profundamente uma orientação ideológica equivocada em voga no M.E.C. [2] que norteia o currículo das nossas escolas, a ineficiência do sistema em não reconhecer a necessidade sempre atual de incluir matérias de ensino tecnicista na segunda fase do ensino fundamental e no nível médio e a desmoralizante corrupção recorrente exemplificada em vários escândalos nesta área fundamental para a sobrevivência de qualquer povo ou nação.  O capitalismo embrutecido que praticamos e, em geral, a má qualidade da educação pública ofertada no país são perigosos agravantes de separação cada vez maior dos brasileiros em classes sociais distintas e por vezes, antagônicas.    


Notícias Relacionadas

LER MAIS

Assembleia debate PEC que acaba com a obrigatoriedade de adesão a conselhos profissionais de classe

23.08.2019

A Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) debateu, durante sessão especial na manhã desta quinta-feira (22), a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 108/2019, do Governo Federal, que acaba com a obrigatoriedade de adesão a conselhos profissionais de classe.

LER MAIS

Eleições 2019

19.08.2019

A eleição do Corecon-PB neste ano, será novamente pela internet, por meio do site www.votaeconomista.org.br, das 8h do dia 29 de outubro de 2019 até as 20h do dia 31 de outubro de 2019.

LER MAIS

Solenidade comemorativa dos 68 anos de regulamentação da profissão do economista

16.08.2019

Aconteceu na noite desta terça-feira (13), no auditório 211, do CCSA/UFPB, a solenidade comemorativa dos 68 anos de regulamentação da profissão do economista com o objetivo de valorizar a profissão e o profissional de economia, além do estreitar as relações do Corecon-PB as partes interessadas.

LER MAIS

Por uma Estratégia de Política Econômica para Crescer e Gerar Empregos

12.08.2019

Por Antonio Corrêa de Lacerda – Vice-presidente do Cofecon.