Juros bancários têm em agosto sexta queda no ano

Noticias 12/09/2012

A taxa média de juros cobrada pelos bancos nas operações de crédito caíram em agosto 0,10 ponto porcentual para o consumidor e 0,09 ponto para pessoas jurídicas, atingindo, respectivamente, 6,02% e 3,44% ao mês, informou nesta quarta-feira a Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac).


A taxa média de juros cobrada pelos bancos nas operações de crédito caíram em agosto 0,10 ponto porcentual para o consumidor e 0,09 ponto para pessoas jurídicas, atingindo, respectivamente, 6,02% e 3,44% ao mês, informou nesta quarta-feira a Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac). Foi a sexta redução do ano e as taxas médias cobradas em agosto bateram recordes históricos de baixa: para o consumidor, é a menor desde 1995; para a pessoa jurídica, a mais baixa desde 1999.

Os recuos se devem, segundo a entidade, à melhora dos indicadores econômicos e ao corte da taxa básica de juros (Selic) promovida pelo Banco Central no dia 29. Para os próximos meses, a Anefac espera novas reduções nos juros cobrados pelas instituições financeiras em razão de possível novo corte da Selic, queda nos índices de inadimplência e maior concorrência no mercado após os bancos públicos promoverem recuos em suas taxas.

Todas as três linhas de crédito para pessoa jurídica pesquisadas pela Anefac apresentaram redução no mês. Na linha de capital de giro, o juro médio passou de 1,92% ao mês em julho para 1,84% em agosto, ou 24,46% ao ano. Em desconto de duplicatas, o recuo foi de 0,16 ponto porcentual, para 2,46% mensais em agosto (33,86% anuais). Os juros médios cobrados para essas duas linhas atingiram o menor nível da série histórica. Na conta garantida, houve queda de 6,04% ao mês em julho para 6,02% em agosto, ou 101,68% ao ano, o menor nível desde outubro do ano passado.

Para pessoa física, os juros médios apresentaram decréscimo em cinco das seis linhas pesquisadas: comércio (de 4,65% para 4,55% ao mês), financiamento de automóveis (de 1,80% para 1,70%), empréstimo pessoal feito por bancos (de 3,57% para 3,45%), empréstimo pessoal realizado por financeiras (de 7,92% para 7,67%) e cheque especial (8,07% para 8,05%). Com exceção da última, as outras linhas atingiram o menor nível da série histórica. Os juros cobrados no cartão de crédito permaneceram estáveis, em 10,69% ao mês, ou 238,30% por ano.
 

 

Fonte: http://economia.estadao.com.br


Notícias Relacionadas

LER MAIS

Declaração Negativa de Comunicação COAF.

16.01.2019

Época de Entregar a Declaração ao COAF.

LER MAIS

Declaração Negativa de Comunicação COAF.

16.01.2019

Época de Enviar a Declaração Negativa de Comunicação COAF.